Sem eficácia comprovada, Prefeitura de Varre-Sai distribui kits com azitromicina para moradores com Covid-19

Em nota, prefeitura disse que a distribuição antecipa o tratamento dos pacientes que necessitam, evitando o agravamento dos casos e até mesmo, o óbito. Varre-Sai é um dos poucos municípios do estado sem registro de morte por Covid-19
Fotos: divulgação / Redação/SBPT/ Silaine Terra (SECOM)

A Prefeitura Municipal de Varre-Sai, no Noroeste Fluminense, está distribuindo kits com azitromicina para moradores que foram diagnosticados com Covid-19. Azitromicina é um antibiótico usado no tratamento de várias infeções bacterianas. Os kits também possuem dipirona ou paracetamol e Vitamina (Lavitan). Segundo a nota da prefeitura, os kits são distribuídos para moradores que testaram positivo para a doença. A nota diz ainda que a distribuição “antecipa o tratamento dos pacientes que necessitam, evitando o agravamento dos casos e até mesmo, o óbito“. Segundo o último boletim divulgado pela prefeitura, o município possui 126 casos positivos, sendo que 78 pessoas já se recuperaram. No momento o município possui apenas uma pessoa internada com a doença. Ainda de acordo com a nota da prefeitura, “a Secretaria de Saúde vem monitorando rigorosamente e realizando o isolamento domiciliar de casos suspeitos e positivos da doença, desde o primeiro contato do paciente até sua alta que é feita através de exame IgM (não reagente). O monitoramento telefônico de pacientes suspeitos e positivos é realizado diariamente por enfermeiros, além do contato feito pelas equipes de Estratégia de Saúde da Família nos bairros e na zona rural para a entrega de medicamentos, exames, bem como o rastreamento e isolamento dos contactantes”. (continua após a publicidade)

No Centro de Triagem do município, é feita uma avaliação de qual exame é o mais indicado para o paciente. O teste rápido é realizado quando já se tem 10 dias de sintomas que é o período ideal para o melhor resultado e o Swab é realizado com quatro dias de sintomas. De acordo com o Secretário Municipal de Saúde de Varre-Sai, Rafael Fabbri Ramos, os testes devem ser realizados de acordo com o tempo de manifestação dos sintomas. “O teste realizado no momento inadequado pode ter resultados falsos. Por isso, a estratégia da Secretaria Municipal de Saúde em testar pessoas dentro dos protocolos do Ministério da Saúde”. A partir da liberação dos laudos, o paciente que testou positivo recebe um kit de medicamentos para tratamento. Os medicamentos são entregues somente aos casos confirmados e a Secretaria alerta que só deve tomar medicação com prescrição médica.  “A estratégia é evitar o agravamento dos casos, minimizando os sintomas da doença, evitando as internações que podem ser um grande problema devido à escassez de leitos, tanto no SUS como também nos convênios particulares que Varre-Sai possui com o Hospital São José do Avaí e São Vicente de Paulo que nos atendem sempre de prontidão”, concluiu o secretário. (continua após a publicidade)

Não há nenhuma comprovação científica da eficácia do uso de azitromicina ou de qualquer outro medicamento no tratamento contra Covid-19. A Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) fez um alerta e destacou que compete ao médico que assiste o doente tomar as melhores decisões para o seu cuidado, mas que as decisões devem ser tomadas baseadas nas melhores evidências científicas disponíveis. “Não existem evidências científicas de que quaisquer das medicações disponíveis no Brasil, tais como ivermectina, cloroquina ou hidroxicloroquina, isoladas ou associadamente, colaborem para melhor evolução clínica dos casos. Isso também é verdade para vitaminas, como, por exemplo, a C e D, e suplementos alimentares contendo zinco ou outros nutrientes. A SBPT acredita que compete ao médico que assiste o doente tomar as melhores decisões para o seu cuidado. Nesse contexto, tais decisões têm que ser tomadas baseadas nas melhores evidências científicas disponíveis. Redes sociais não são textos médicos e, com frequência, transmitem informações infundadas, impulsionadas por interesses obscuros“.

VEJA MAIS

VEJA MAIS