Professora e membro da Academia Fidelense de Letras, Berenice Seixas lança livro infantil na Bienal do Rio

Com a inspiração que surgiu no momento de pandemia, Berenice deu vida ao seu primeiro livro infantil "Menina Moleca", sobre uma infância feliz, de inocência e muita diversão

No período mais crítico da pandemia, houve quem aproveitasse os momentos de criatividade aflorada. Foi o caso da mãe, avó, professora, poetisa, membro da Academia Fidelense de Letras, e agora escritora, Berenice Seixas. Ao SF Notícias, ela falou sobre o lançamento de seu primeiro livro infantil “Menina Moleca”, pela editora Autografia, na Bienal do Livro no Rio de Janeiro. “Sou parte vivente de uma exigente pandemia, a qual me levou a mergulhar na infância por um bom tempo, lugar confortável para mim e sem preocupações. Por lá, brinquei de teatro de sombra, contei histórias para meus netos, comprei livro infantil, fiz poesias, músicas, li livros de autores negros, cantei cantigas de rodas, me reinventei na arte a qual sou intensamente apaixonada. E a arte foi um recurso que muitas pessoas usaram para fugir ou burlar o difícil momento de pandemia” – relatata a escritora.

Tem Instagram ❓❓ Siga o SF Notícias no Insta > @sfnoticias

Foi aproveitando os momentos de inspiração que Berenice começou a desenvolver aquele que seria seu primeiro livro. “Com a inspiração andando solta, pois ninguém pode prendê-la em casa, a não ser no seu próprio ser, e assim mesmo por vagos espaços de tempo, lá fui eu, mandar fazer a ilustração de um poema que conta um pouco da infância, para brincar de contar histórias com os netos. O ilustrador é Henrique Dias, morador das terras mineiras. Com a ilustração em mãos, vendo os traços do desenho no estilo que gosto, me animei copiosamente em transformar todo aquele material num livro infantil. Porque não? Meu processo de escrita é bem simples, espero a inspiração chegar, chegando é alegria e inquietação” – relata.

Com a criatividade em alta e os sentimentos em polvorosa, Berenice relembra que pesquisou na “internet” uma editora que enchesse seus olhos, e encontrou. “No primeiro ano, só mantive o contato com a editora, mas, não saiu nada, a pandemia só apertava o nó. No ano seguinte, 2021, a editora continuou fazendo contato, mas, com um diferencial a mais na publicação do livro, que seria o lançamento na Bienal do Livro do Rio. Achei proveitoso, foi um chamarisco! E assim, com a ilustração já pronta, fui organizando e preparando tudo virtualmente com a editora por vários meses, até chegar o tão sonhado dia, do lançamento do meu primeiro Livro Infantil “Menina Moleca”. Assim, estava eu lá, no olho do furacão das palavras, lançando o meu livro na XX Bienal Internacional do Livro Rio no estande da Editora Autografia, maior evento de cultura e literatura do país. Foi um momento feliz de ver um sonho materializado!” – destaca.

“Menina Moleca” conta a história de uma menina com uma infância muito feliz, divertida e cheia de brincadeiras pelo quintal da vovó, pela vizinhança com a garotada, nas calçadas, nas cirandas de rua. Tempo de inocência e muita diversão. E contém uma linda cantiga de roda. “Vamos brincar? Vamos ler? Com a frase exposta na Bienal, do líder indígena, ambientalista, poeta, escritor Aílton Krenak*, me senti motivada a continuar escrevendo. Que esse livro seja o primeiro de muitos! E obrigada a todos pelas mensagens de carinho e incentivo nas redes sociais” – finalizou a escritora.

*”Para adiar o fim do mundo é preciso continuar contando histórias”
– Aílton Krenak

VEJA MAIS

VEJA MAIS