Porto do Açu e Oil Group fecham parceria para implantação de refinaria modular

O projeto, previsto para iniciar a operação em 2024, terá capacidade de refinar 20 mil barris/dia de óleo inicialmente, podendo expandir até 50 mil barris/dia, com foco na produção de derivados claros. Os investimentos na implantação da refinaria são da ordem de U$ 300 milhões.

A Porto do Açu Operações e a Oil Group Investimentos em Refinarias assinaram acordo para instalação de uma refinaria modular no empreendimento portuário, localizado em São João da Barra, no Norte Fluminense (RJ). Esta é a primeira fase para a implantação de uma refinaria modular de petróleo no Norte Fluminense. O projeto, previsto para iniciar a operação em 2024, terá capacidade de refinar 20 mil barris/dia de óleo inicialmente, podendo expandir até 50 mil barris/dia, com foco na produção de derivados claros. Os investimentos na implantação da refinaria são da ordem de U$ 300 milhões. De acordo com a Oil Group – que atua na exploração, produção e refino de petróleo –, um dos principais diferenciais do Açu para implantação da refinaria são a área disponível para a construção do Projeto e o hub de óleo já em desenvolvimento, além da possibilidade do trabalho em sinergia com as empresas da cadeia offshore já instaladas. (continua após a publicidade)

“A expansão do parque brasileiro de refino é um investimento estratégico e urgente. Há uma clara demanda por energia no Brasil, a ser atendida a partir do investimento em projetos inteligentes e inovadores, como este. O país deve dominar todo o processo industrial de petróleo para não ficar sujeito a flutuações no mercado mundial e refém da disponibilidade de tais instalações em outros países. É uma questão estratégica para o Brasil”, afirma o diretor de Downstream da Oil Group, Luiz Otávio Massa. Para o Açu, a refinaria é um importante marco para o desenvolvimento do distrito industrial e de toda a região, além de contribuir para completar a cadeia de exploração de petróleo, uma vez que o Porto já conta com operações de transbordo e tem previsão de tancagem em terra, o que otimiza o projeto de refino. Os produtos, que serão destinados principalmente ao mercado interno poderão ser escoados por mar ou por terra, através de estruturas já consolidadas no empreendimento portuário. (continua após a publicidade)

O projeto visa atender à demanda crescente de combustível e às novas diretrizes do mercado nacional, abrindo também caminho para que pequenas petroleiras possam atuar. “A atração de uma refinaria é fundamental para a fase de industrialização do Porto do Açu. Além disso, entendemos que a instalação é estratégica para o negócio por conta da localização geográfica. Estamos localizados no Sudeste, com acesso ao maior mercado consumidor brasileiro, e temos a melhor infraestrutura do país para viabilizar o transporte, marítimo ou terrestre, aos grandes centros consumidores”, explica Antonio Primo, diretor de Desenvolvimento de Negócios da Porto do Açu Operações. A opção pelo modelo modular construído pela Oil Group é justificada pela maior agilidade na construção, eficiência operacional e, sobretudo, sustentabilidade – um dos pilares do Porto do Açu. A redução de impacto ambiental deste modelo atende às mais rigorosas legislações deste âmbito nas fases de implantação e operação. A refinaria projetada prevê também uma Unidade de Recuperação de Enxofre de última geração para redução de emissões de gás carbônico (CO2), óxido de enxofre (SOx) e óxido de nitrogênio (NOx).

VEJA MAIS

VEJA MAIS