Fábrica de laticínios que funcionava de forma clandestina é fechada no Imbé

Material era produzido para venda em churrascarias; ao todo foram apreendidos e inutilizados 37 kg de queijo e 300 litros de leite

A Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento fechou uma fábrica de laticínios que funcionava de forma clandestina na localidade de Imbé, na zona rural de Campos, no Norte Fluminense. Segundo os técnicos da Defesa Agropecuária, o local funcionava nos fundos de uma casa, e não cumpria nenhuma das exigências legais de controle de qualidade dos produtos e de higiene. Ao todo foram apreendidos e inutilizados 37 kg de queijo e 300 litros de leite. O local deverá permanecer fechado até se regularizar, sob pena das sanções administrativas e criminais cabíveis, com multa que pode chegar a R$ 3.700.

continua após a imagem

O secretário de Agricultura, Marcelo Queiroz, explicou que o material era produzido para venda em churrascarias da cidade e que estas ações, cujo objetivo é manter a integridade do consumidor, têm sido constantes em todo o estado. A fiscalização contou com apoio da Vigilância Sanitária e da Polícia Militar. “Há um alto comprometimento com a fiscalização dos comércios de produtos de origem animal. É um trabalho essencial que protege o consumidor de receber produtos impróprios para consumo’, explica o secretário.

De acordo com o coordenador de Controle de Qualidade de Produtos Agropecuários, André Sampaio, as atividades de combate à produção clandestina de alimentos serão ampliadas em todo o estado do Rio de Janeiro pelo Serviço de Inspeção Estadual/RJ, em ações isoladas ou em conjunto com outros órgãos. “Estamos reestruturando a coordenadoria responsável pelas ações. Estão programadas Barreiras Fiscais Agropecuárias nas rodovias de acesso ao Rio de Janeiro e em locais de produção, ajudando a coibir o trânsito e a entrada desses produtos clandestinos para consumo. Desta forma, evitamos a ocorrência de surtos de doenças veiculadas por alimentos ou até mesmo o aparecimento de uma nova enfermidade”, afirmou o coordenador.

VEJA MAIS

VEJA MAIS