Covid-19: São Fidélis registrou 440 novos casos e 03 mortes em decorrência da doença em março

Município confirmou até o momento 2.757 casos de Covid-19, sendo que 2.654 moradores já se recuperaram e 73 infelizmente perderam suas vidas; há mais de 20 pessoas internadas no Centro de Combate ao Coronavírus
Foto: SF Notícias

Março terminou com um histórico de 440 novos casos de Covid-19 confirmados em São Fidélis, no Norte Fluminense, de acordo com dados dos boletins epidemiológicos da Secretaria Municipal de Saúde. Em janeiro – mês em que foi registrado o maior número de novos casos desde o início da pandemia – foram contabilizados 488 novos casos e 10 mortes; em fevereiro foi registrada uma queda, e em 28 dias, 300 novos casos foram registrados. Entretanto, 09 fidelenses perderam a vida naquele mês. Já em março, apesar do novo aumento de casos, houve queda no registro de óbitos, com três mortes confirmadas nos últimos dias do mês. No dia 27 de março foi confirmada a morte de um senhor de 75 anos, que residia na localidade de Colônia. Ele deu entrada hospitalar no dia 25 de fevereiro, chegou a receber alta no dia 15 de março, mas voltou a ser internado no último dia 17. Já no dia 29 foram confirmadas mais duas mortes, uma referente a um senhor de 90 anos, morador do Centro, que estava internado desde o dia 22, e o outra referente ao ex-vereador Osmar Caiana Vieira de Menezes, conhecido por muitos como Caiana, de 73 anos (reveja AQUI).

Apesar do alto número de novos casos, também foi registrado um alto número de recuperados, 408 ao todo. O município confirmou até o momento 2.757 casos de Covid-19, sendo que 2.654 moradores já se recuperaram e 73 infelizmente perderam suas vidas. Segundo dados do boletim epidemiológico desta quarta (31/03), há 11 casos em investigação, entre eles um óbito. Há 30 casos ativos notificados oficialmente. Entre os casos suspeitos e ativos, há 23 pessoas internadas e 17 em isolamento domiciliar.

Médico alerta sobre desabastecimento de sedativos e sobre disponibilidade de oxigênio
Em uma transmissão ao vivo realizada no dia 25 o médico Sebastião Neto falou sobre a situação do Hospital Armando Vidal, particularmente sobre o setor de Covid-19. De acordo com o médico, o município vive um momento crítico, com aumento de internações e agravamento da pandemia. Em determinado momento, ele afirmou que chegou a ocorrer a falta de um sedativo, utilizado para intubação de pacientes. “Tivemos que usar outros tipos de sedativo que não são os mais adequados para fazer a sedação do paciente” – disse, destacando que em todo o Brasil está havendo um problema de desabastecimento de sedativos. O médico falou ainda sobre a necessidade de as autoridades municipais alertarem a população sobre a real situação do município e sobre a questão da possível falta de oxigênio. “Tem tanta gente usando oxigênio no hospital, que a própria usina de oxigênio não consegue suprir a demanda. Então estão comprando bala de oxigênio, e estão com dificuldade de comprar. E se chegar o momento que não tiver como comprar?” – questionou o médico durante a live. Reveja a matéria com nota de esclarecimento do hospital AQUI.

Comércio segue fechado no município até o dia 09
Seguindo recomendação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), para adoção de medidas mais restritivas para conter o avanço da pandemia de Covid-19, a Prefeitura publicou um decreto determinando o fechamento dos estabelecimentos comerciais – lojas em geral, bares, restaurantes, lanchonetes, trailers, quiosques, barraquinhas de lanches, sorveterias – que podem funcionar apenas por delivery, sendo proibida a retirada no local, além de templos religiosos, academias, salões de beleza, clubes, salões de festa, escritórios, e escolas e cursos presenciais. O decreto determina ainda a proibição de venda de bebida alcoólica por delivery nos estabelecimentos comerciais, além de proibir aglomeração em vias públicas, praças, rios, cachoeiras ou qualquer logradouro, e funcionamento de estruturas móveis como cama-elástica, brinquedos e similares em via pública. Veja a matéria AQUI.

VEJA MAIS

VEJA MAIS