Vídeo: Interditada para banho, Cachoeira do Oriente recebe sinalização sobre risco de afogamento

Local recebeu uma ação provisória de sinalização para o "risco de afogamento". Foi feita uma marcação rústica, sem uso de tintas para não haver contaminação das águas

Um ponto da Cachoeira do Oriente, em São Fidélis, onde três pessoas perderam suas vidas ao se afogarem, recebeu uma ação provisória de sinalização para o risco de afogamento. No local, que segue interditado para banho, foi realizada uma ação em parceria com o voluntário Jocimar e o Guarda Parque Thiago, da Equipe do Aurênio do Inea. Em uma das pedras de um ponto onde se formou um redemoinho, local de alto risco, foi feita uma marcação rústica, sem uso de tintas para não haver contaminação das águas, se preocupando também com o Meio Ambiente (veja o vídeo no final). Essa é uma ação provisória;placas estão sendo feitas para serem colocadas no local.

Tem Instagram ❓❓ Siga o SF Notícias no Insta > @sfnoticias

Para a segurança dos envolvidos no trabalho, foi utilizada uma corda de segurança. “Gostaríamos de agradecer a todos envolvidos nesta ação. O Local segue INTERDITADO para banho” – publicou a Defesa Civil. Equipes da Defesa Civil, do Inea e da Secretaria de Segurança Pública fizeram a interdição do local nesta terça (08) com fitas de isolamento. O gestor da Subsede do Parque Estadual do Desengano e representante do Inea em São Fidélis, José Guilherme, informou ao SF Notícias que placas para sinalizar aos turistas que o local é de altíssimo risco e apresenta perigo iminente aos banhistas já foram solicitadas e estão sendo confeccionadas.

continua após a imagem

Já o Secretário de Segurança Pública, Ricardo Barcellos, fez um alerta sobre os riscos de frequentar a Cachoeira do Oriente. “Pedimos aos senhores para que tenham a compreensão de não irem a esse local até que seja decidido, a respeito do gestor do Inea em São Fidélis, junto com a equipe da Segurança, Defesa Civil, e outras equipes que quiserem nos ajudar para que a gente possa criar um alerta geral quanto a esse local” – disse o secretário. Ainda segundo o secretário, frequentar o local nesse momento “é correr risco de vida”.

Três mortes em cinco dias
Em cinco dias, três pessoas morreram afogadas no local, sendo duas delas, na terça-feira de carnaval. Naquele dia, o jovem Davisson de Oliveira Amancio Junior, de 21 anos, morador de Taubaté, foi puxado pela água. Alex Gabriel Freitas, de 37 anos, morador de Campos, tentou salvar o jovem, mas ambos morreram.

Já no último domingo a jovem Lídia Fernandes de Freitas Fonseca, de 26 anos, moradora de Campos, também morreu no mesmo local. Segundo o Corpo de Bombeiros, a pessoa que acionou a corporação relatou que a vítima teria mergulhado e não retornou à superfície.

VEJA MAIS

VEJA MAIS