Prefeitura de Cambuci vai reconstruir Parque Aquático, fechado desde novembro após fortes chuvas

"Cabeça d'água", um fenômeno da natureza, tem provocado enxurradas, arrastando muita terra, galhos e troncos de árvores e provocando destruição no local. Prefeitura vai buscar medidas para minimizar os danos nos próximos registros

O novo prefeito de Cambuci, Marquinho da Venda, já solicitou a Secretaria de Obras do município e outras secretarias, ações para reconstrução do Parque Aquático, importante atrativo turístico da “Cidade Simpatia”. O local está fechado desde novembro de 2020, devido às fortes chuvas que deixaram um cenário desolador. Nos últimos meses o parque foi atingido por pelo menos três “cabeça d’água”, nome dado ao fenômeno que causa um rápido e repentino aumento do nível de um rio corrente ou cheio, devido às chuvas nas cabeceiras ou em trechos mais altos de seu percurso.

continua após a imagem

A intenção da nova administração é que o local esteja pronto para que a Secretaria Municipal de Turismo, Esporte e Lazer possa usá-lo ainda durante o verão de 2021, visando atender principalmente o povo cambuciense, já que por conta da pandemia, a prefeitura quer evitar aglomerações. “Pude constatar que após as fortes chuvas ocorridas em novembro de 2020, muito pouco foi feito com a finalidade de reparar os danos causados. É bom lembrar que as fortes chuvas que afetam o nosso parque quase anualmente, embora sejam inevitáveis, demandam medidas proativas do poder público a fim de que os danos que venham a ser causados sejam minimizados”, disse o Secretário de Obras Caio Baptista, que visitou o parque na última sexta-feira.

continua após o vídeo

Cheias na cachoeira
Quase todos os anos – em 2020 foram pelo menos três vezes – as fortes chuvas nas cabeceiras e afluentes que formam o Valão Dantas, provocam a sua elevação repentina. Com isso, uma enxurrada desce leito abaixo arrastando muito mato, terra, galhos e troncos de árvores, chegando na cachoeira de Cambuci, elevando o volume na queda d’água e provocando estragos.

VEJA MAIS

VEJA MAIS