Polícia Ambiental identifica crimes ambientais às margens da RJ-158, em São Fidélis

Área fica na região de Ernesto Machado e próximo do leito do Rio Paraíba do Sul

Durante cumprimento de ordem de policiamento para verificar denúncias de crimes ambientais feitas através do programa Linha Verde, o programa do Disque Denúncia voltado para meio ambiente, policiais militares da 3ª Unidade de Policiamento Ambiental do Parque Estadual do Desengano identificaram crimes ambientais às margens da RJ-158, no trecho entre São Fidélis e Campos, próximo de Ernesto Machado.

Tem Instagram ❓❓ Siga o SF Notícias no Insta > @sfnoticias

Os policiais constataram uma área de 20 mil metros quadrados com abertura de estradas clandestinas com cerca de 500 metros de comprimento por seis metros de largura, construção de um platô de 1500 metros quadrados, movimentação de solo com supressão de vegetação em uma área considerada de preservação permanente. O local estava a menos de 30 metros de um curso d´água e às margens da rodovia, que fica próximo do leito do Rio Paraíba do Sul e, durante as diligências, localizaram um trator esteira e uma motoniveladora parados.

De acordo com o Disque-Denúncia Rio, pessoas que passavam pelo local foram questionados pelos policiais a respeito do responsável pelo ilícito, e informaram que o proprietário antigo havia vendido aquela área degradada a um morador de Campos. Com base nos artigos 48 e 60 da lei de crimes ambientais, juntamente com o artigo 4º do novo Código Florestal, os policiais procederam à 141ª DP, onde após perícia a ocorrência foi registrada.

O Linha Verde reforça a solicitação para que a população continue denunciando crimes ambientais em todo o Estado do Rio através dos telefones 0300 253 1177 (interior, custo de ligação local) ou 2253 1177 (capital), além do APP “Disque Denúncia RJ” disponível para celulares. Por essa modalidade, o denunciante pode enviar fotos e vídeos, com a garantia do anonimato. É possível denunciar também através da página do Linha Verde no facebook, www.facebook.com/linhaverdedd ou ainda pelo site do Disque Denúncia (www.disquedenuncia.org.br). Lembrando que em todos os canais, o anonimato é garantido ao denunciante.

VEJA MAIS

VEJA MAIS