Operação apreende mais de 200 kg de carne imprópria para o consumo em Campos

Um açougue foi interditado. Fiscais encontraram carne inadequadamente armazenada, cachorros transitando na área de desossa, em meio aos alimentos, e processamento irregular de carne seca, além de falta de higiene e carnes clandestinas, sem procedência de abate

Agentes de fiscalização da Defesa Agropecuária, da Secretaria de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento, apreenderam 220 kg de carnes bovinas não autorizadas e sem qualquer tipo de identificação, ou seja, impróprias para o consumo, em um açougue em Campos, no Norte Fluminense. A apreensão aconteceu durante a operação “Boi Garantido”, realizada em parceria com a Vigilância Sanitária Municipal e a Polícia Militar. Todos os produtos clandestinos, impróprios ao consumo, foram inutilizados. O açougue, que fica na Baixada Campista, foi interditado até que o proprietário faça correção das irregularidades identificadas.

continua após a imagem

No estabelecimento fiscalizado foi encontrada carne inadequadamente armazenada, cachorros transitando na área de desossa, em meio aos alimentos, e processamento irregular de carne seca, além de falta de higiene e carnes clandestinas, sem procedência de abate. “Essas operações são fruto de um trabalho constante realizado pela nossa Defesa Agropecuária, responsável pela fiscalização de agroindústrias que processam produtos de origem animal. E sempre em parceria com as vigilâncias sanitárias municipais, responsáveis pela fiscalização do comércio de produtos”, explica o secretário de Agricultura, Marcelo Queiroz. A intenção da operação é coibir a venda de produtos de origem animal que não possuam os registros necessários para comercialização, frutos de abate e fabricação clandestinos. O estabelecimento pode ser multado em até mil Ufirs-RJ por autuação recebida – a Ufir-RJ para 2021 equivale a R$ 3,7053.

“Vale ressaltar a importância de só adquirir carnes de procedência, verificando sempre a presença do símbolo do serviço de Inspeção Estadual, Municipal ou Federal, que garante que as carnes foram abatidas em estabelecimentos inspecionados sob rigoroso critério de higiene”, destaca o superintendente de Defesa Agropecuária, Paulo Henrique de Moraes. Os fiscais alertam aos consumidores que somente comprem carne e seus derivados quando tiverem o devido registro no S.I.M, S.I.E., S.I.F. ou S.I.S.B.I., além de sempre observar a forma de armazenamento do produto.

VEJA MAIS

VEJA MAIS