Motorista de ambulância surpreende pacientes do setor de Covid com música e flores no Dia das Mães, em Itaocara

Isoladas na luta contra a doença, as pacientes não puderam receber presencialmente o carinho de seus filhos e familiares. "Peguei as flores, improvisei um buquê e entreguei cantando" - conta Rodrigo Mota

O Dia das Mães foi celebrado neste domingo (09/05), mas devido à Covid-19 moradoras da região que estão internadas por conta da doença, não puderam receber presencialmente o carinho de seus filhos e familiares. Pensando em levar alegria para algumas mamães que estão internadas no Hospital de Itaocara, na luta contra o coronavírus, o Rodrigo Mota, que trabalha como motorista na unidade, improvisou uma homenagem. Ao SF Notícias ele contou como surgiu a ideia: “Ontem além de Dia das Mães era aniversário da minha esposa, mas o trabalho meu não tem dia e na hora da visita dos pacientes clínicos do hospital vi que seus familiares traziam flores e presentes. Umas 16 horas tive que atender o Centro de Tratamento de Covid e passei na rua vi flores lindas e lembrei que as pacientes não iriam receber a visita devido ao isolamento do tratamento. Peguei as flores, improvisei um buquê e entreguei cantando, pois esse é meu jeito de ser” – relatou.

Tem Instagram ❓❓ Siga o SF Notícias no Insta > @sfnoticias

O momento em que Rodrigo, utilizando os equipamentos de proteção, entra no setor de Covid cantando “Como é grande o meu amor por você”, foi filmado por uma enfermeira. As imagens são emocionantes. “Umas (pacientes) até choraram, outras riram. Parentes me procuraram para agradecer, pois sentiram que de alguma forma ajudei a não deixar passar a data em branco. Mas foi espontâneo, fui simplesmente eu. O melhor remédio é o otimismo e a alegria, e sei que de alguma forma ajudei no tratamento. Uns me chamam de doido, mas o mundo precisa de mais gente doida” – contou Rodrigo, que é motorista socorrista e também faz transferências na UTI móvel. Servidor concursado, ele foi transferido para o hospital no começo da pandemia, antes atuava na educação. “Fui transferido pois muitos motoristas se afastaram com medo ou pela idade. Nunca tive medo, até hoje Deus me guardou, nunca tive Covid” – disse.

continua após o vídeo

Rodrigo contou ainda que se emocionou ao ver a importância que as pacientes deram à singela homenagem. “Me emocionei, pensei em minha mãe e minha esposa. Não pude estar com elas nesse dia especial, mas Deus está proporcionando através de vocês que elas recebam o maior presente, o orgulho de ver que o que faço é mais do que dirigir. Todos nós podemos fazer pequenas coisas que juntas se transformam em algo inexplicável” – destacou.

VEJA MAIS

VEJA MAIS