Moradora denuncia maus-tratos após cavalo ser encontrado morto entre Duas Barras e Carmo

Segundo ela, o animal teria sido morto a pauladas e jogado às margens da RJ-144; caso foi registrado na 112ª Delegacia de Polícia
Fotos: Reprodução/ arquivo pessoal

Uma moradora de um rancho localizado na estrada entre Duas Barras e Carmo, na Região Serrana do Rio, usou as redes sociais para denunciar um caso de maus-tratos a um cavalo. Segundo Flaviane Jesus Teixeira, na manhã do último sábado (12) ela recebeu um pedido de ajuda para um cavalo, que estava machucado, caído na estrada RJ-144, muito debilitado. Ela conta que fez contato com um veterinário e comprou a medicação indicada e posteriormente foi ao local onde o cavalo estaria para resgatá-lo. Entretanto, ela e três amigos não conseguiram localizar o animal. “Entrei numa propriedade para perguntar, me deparei com um senhor e perguntei. Ele disse que o cavalo era dele, que no dia anterior matou o cavalo a paulada, que o cavalo já estava velho e não tinha mais utilidade, e que tinha arrastado o cavalo e jogado numa ribanceira” – relatou Flaviane emocionada em um vídeo publicado no Facebook.

Ela conta ainda que junto aos amigos voltaram a procurar pelo cavalo e o encontraram morto, com vários ferimentos. “Até quando? Não quer mais, mata a paulada, até quando tudo vai ser assim?” – disse indignada, pedindo alguma providência de órgãos da cidade de Carmo. Flaviane informou ainda que o corpo do animal segue no local, às margens da rodovia. Vale destacar que o artigo 32 da lei federal 9.605/98, “praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos”, prevê detenção, de três meses a um ano, e multa.

Flaviane Jesus Teixeira registrou o caso na 112ª Delegacia de Polícia do município de Carmo. Nossa redação entrou em contato com a delegacia. Segundo a polícia, um inquérito foi instaurado e o caso segue sendo investigado. Nossa redação não conseguiu contato com o homem que seria proprietário do animal.

VEJA MAIS

VEJA MAIS