Morador registra pegada que pode ser de onça no Parque do Desengano, em São Fidélis

O Parque Estadual do Desengano é reduto de Onça-parda no interior do estado do Rio
Registro foi feito na última terça-feira (10)

Um lugar de beleza ímpar, repleto de cachoeiras, trilhas, inúmeros picos rochosos e uma imensa variedade de plantas e animais nativos da Mata Atlântica, muitos deles raros e ameaçados. Assim é o Parque Estadual do Desengano, a mais antiga Unidade de Conservação do estado e o último remanescente florestal contínuo de expressiva extensão do Norte Fluminense. O Parque do Desengano (PED) tem 22.400 hectares de extensão entre os municípios de Santa Maria Madalena, São Fidélis e Campos, e outros 22.400 de Zona de Amortecimento ao seu redor, área que ajuda a proteger o PED. Entre tantos animais, o parque também abriga a Onça-parda, Jaguatirica e o Gato-do-mato. Um deles deixou uma pegada em uma das trilhas da unidade. O registro foi feito por um morador de São Fidélis, o Luiz Henrique Macedo, na trilha da Cachoeira da Cascata, próximo ao mirante da localidade de Aleixo, em São Fidélis. A trilha faz a travessia entre os municípios de São Fidélis e Santa Maria Madalena.

Luiz Henrique acredita que a pegada seja de uma onça. Segundo ele, de perto a pegada era enorme. O SF Notícias enviou o registro para o gestor do parque, Carlos Dário. O fato de a pegada não estar muito marcada na terra dificulta na identificação, mas segundo o gestor, está parecendo ser sim de uma onça. Porém, também pode não ser. O Parque Estadual do Desengano é reduto de Onça-parda no interior do estado do Rio. Há vários registros do felino no parque como registros de pegadas, fezes e fotos. O último registro fotográfico de uma Onça-parda foi feito em setembro desse ano (foto abaixo), por uma das armadilhas fotográficas do parque. Em 2014 e em 2019 o SF Notícias havia divulgado outros registros de onças feitas pelas armadilhas. Elas são usadas para fazer uma espécie de radiografia do parque, e também para monitorar ações de caçadores. (continua após a imagem)

A Onça-parda figura como um dos mais importantes predadores do topo de cadeia alimentar do parque. Sua alimentação é predominantemente carnívora. Dentre as suas principais presas estão os porcos-do-mato (Pecari tacaju), pacas (Cuniculus paca) e macucos (Tinamus solitarius), mas não deixando de predar o que for possível para garantir sua sobrevivência e de suas proles. É um animal com grande extensão territorial, podendo ser avistado, inclusive, vagando por áreas abertas como pastos ou plantações de eucaliptos procurando por presas ou áreas propícias para alimentação.

VEJA MAIS

VEJA MAIS