Ministério da Saúde alerta para riscos de dengue, zika e chikungunya no período chuvoso

Segundo o Ministério da Saúde, de 3 de janeiro a 9 de outubro deste ano, o país registrou 479.745 casos de dengue. Nesse mesmo intervalo foram confirmadas 199 mortes por dengue

A Covid-19 é sem dúvidas a doença em que mais se fala no momento, mas, com o retorno das chuvas na maior parte do país, aumentam as preocupações com a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. Por isso, o Ministério da Saúde orienta que para prevenir as doenças transmitidas pelo inseto é fundamental evitar o acúmulo de água parada, onde ocorre a proliferação do mosquito. O período do ano com maior transmissão são os meses mais chuvosos de cada região, mas é importante manter a higiene e evitar água parada todos os dias, porque os ovos do Aedes aegypti podem sobreviver por um ano até encontrar as melhores condições para se desenvolver.

Tem Instagram ❓❓ Siga o SF Notícias no Insta > @sfnoticias

O Ministério alerta que é importante verificar se não tem água parada em pneus, vasos de plantas, garrafas e outros recipientes que possam permitir a reprodução do mosquito. “É importante lembrar de tapar os tonéis d’água, manter as calhas limpas, deixar garrafas e recipientes com a boca para baixo, limpar semanalmente e encher os pratos de vaso de plantas com areia, manter lixeiras bem tampadas, ralos limpos, com aplicação de telas, além de manter lonas para material de construção e piscinas sempre esticadas para não acumular água. São medidas extremamente simples, numa varredura rápida, de 15 minutos, você pode impedir a proliferação do mosquito e fazer a sua parte no combate à dengue”, ressalta o secretário de Vigilância em Saúde Arnaldo de Medeiros.

O Ministério da Saúde mantém uma vigilância contínua no país durante todo o ano para evitar a proliferação do Aedes aegypti com estruturas de pesquisa, uso de inseticidas e ação de agentes de saúde, entre outros.  Com o agravamento das questões de saúde causado pela Covid-19, as vistorias nas casas das pessoas foram suspensas, mas estão retornando agora. “Com o avanço da vacinação e a considerável redução de hospitalização por Covid-19, os agentes de combate a endemias e os agentes comunitários estão retomando as visitas, observando todas as recomendações dos órgãos de saúde para que esta retomada seja segura para todos”, concluiu o secretário de Vigilância em Saúde Arnaldo de Medeiros.

Sintomas e tratamento
Existem quatro tipos de vírus de dengue – sorotipos 1, 2, 3 e 4. A febre alta é um dos principais sintomas da doença. Outros são dores musculares intensas, dor ao movimentar os olhos, mal-estar, falta de apetite, dor de cabeça e manchas vermelhas no corpo. A infecção por dengue também pode não causar sintomas, ser leve ou grave. Nesse último caso, pode até levar à morte. As pessoas mais velhas têm maior risco de desenvolver dengue grave e outras complicações que podem levar à morte. O risco aumenta quando a pessoa tem alguma doença crônica, como diabetes e hipertensão.

Não há tratamento específico para a dengue. De acordo com a avaliação médica, são recomendadas medidas como fazer repouso, ingerir bastante água e não tomar medicamentos por conta própria. Pode ser recomendada também a hidratação com soro nas veias. Em caso de suspeita, é fundamental procurar um profissional de saúde para ter o diagnóstico correto. A zika e chikungunya têm sintomas semelhantes aos da dengue como febre, dor de cabeça, mal-estar, dores pelo corpo e muita dor nas juntas. O tratamento também é feito de acordo com os sintomas. No caso da chikungunya, algumas pessoas podem desenvolver um quadro pós-agudo e crônico com dores nas articulações que duram meses ou anos.

De acordo com o Ministério da Saúde, de 3 de janeiro a 9 de outubro de 2021, da 1ª até a 40ª semana epidemiológica, o país registrou 479.745 casos de dengue, redução de 47,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Nesse mesmo intervalo foram confirmadas 199 mortes por dengue, redução de 64% se comparado com 2020.

VEJA MAIS

VEJA MAIS