Junto há mais de 60 anos, casal morre por Covid-19 com 11 dias de diferença em São Fidélis Casal era muito querido na localidade de Boa Esperança, onde morava. Eles ficaram internados na UTI, lado a lado. Maria do Carmo era natural de Santa Maria Madalena e se mudou para a localidade aos 28 anos

Casal era muito querido na localidade de Boa Esperança, onde morava. Eles ficaram internados na UTI, lado a lado. Maria do Carmo era natural de Santa Maria Madalena e se mudou para a localidade aos 28 anos

Foto: Arquivo pessoal

O município de São Fidélis, no Norte Fluminense, já contabiliza 42 mortes de moradores diagnosticados com o novo coronavírus. Entre as vítimas estão dois moradores de Boa Esperança, localidade no distrito de Cambiasca, zona rural. A morte de Maria do Carmo Fonseca de Souza e José Fidélis de Souza, e a forma como ocorreu deixou familiares e moradores da localidade consternados. O casal, junto há mais de 60 anos, faleceu com 11 dias de diferença. Ambos estavam internados no Centro de Combate ao Coronavírus, nas dependências do Hospital Armando Vidal, no Centro. Segundo Norma Lúcia Fonseca de Souza Quintanilha, filha do casal, a mãe foi internada primeiro e depois foi o pai. Eles chegaram a receber alta e dias depois foram novamente internados. O idoso faleceu no dia 4 de outubro, mas o diagnóstico para Covid-19 veio no dia 8, quando a morte foi contabilizada no boletim epidemiológico. “Meu pai foi nascido e criado em Boa Esperança. Ele faleceu com 104 anos. Minha mãe nasceu em Santa Maria Madalena, e foi para Boa Esperança com 28 anos e veio a falecer com 88 anos. Ambos sempre pediram para ser enterrados em Boa Esperança” – relata. (continua após a publicidade)

O casal teve sete filhos, 10 netos e cinco bisnetos. Ainda segundo Norma, o senhor José Fidélis sempre trabalhou na lavoura, já a Dona Maria do Carmo ficou conhecida por vender suas famosas cocadas, e pastel de massa caseira. O casal chegou a ficar junto na UTI, lado a lado segundo relato de uma neta. “Quando eles retornaram na segunda vez para o hospital, ficaram na UTI lado a lado. Quando meu avô veio a falecer, a minha vó ficou muito agitada, não sei se percebeu o momento. Ela chamou muito por ele, porque percebeu algo e ele já não respondia mais. Então sedaram ela e entubaram” – disse Pamela. A idosa não chegou a sair da sedação. Ela faleceu nesta quinta-feira (15/10).

Mais do SFn