Chuva forte provoca pontos de alagamentos e desabamento atinge residência em Itaperuna

Também choveu forte em outras cidades da região, e pelo segundo dia seguido, houve grande incidência de raios
Imagem: Prefeitura de Itaperuna

Uma forte chuva atingiu cidades das regiões Norte e Noroeste Fluminense entre a noite desta segunda e madrugada desta terça-feira (05/10). Uma das cidades mais atingidas foi Itaperuna, onde o temporal, acompanhado de rajadas de vento, provocou pontos de alagamentos na área central e o desabamento de um muro que atingiu uma residência no bairro São Francisco. Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura, os pontos de alagamentos não tiveram grandes proporções como antigamente devido às obras de drenagem urbana e esgotamento sanitário da Vinhosa, na área central.

Tem Instagram ❓❓ Siga o SF Notícias no Insta > @sfnoticias

Na manhã desta terça, equipes da prefeitura já estavam fazendo a limpeza das ruas que ficaram alagadas durante o temporal. Já o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil foram acionados para uma ocorrência de desabamento que atingiu uma residência em uma Travessa no bairro São Francisco. Segundo o Corpo de Bombeiros, o acionamento foi às 22h40, e não houve vítimas. Segundo a Defesa Civil, foram registrados 41,4 milímetros de chuva. Já o Sistema de Alerta de Cheias do Inea registrou 33.8 milímetros em apenas uma hora, por volta das 22h45.

Também choveu forte em outras cidades da região, e houve grande incidência de raios. Em Italva, por exemplo, a estação do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais registrou 36.4 milímetros de chuva nas últimas horas. Em Miracema foram registrados 29.8 milímetros, e em Itaocara, a estação registrou 26.2 milímetros, sendo 23.2 em apenas uma hora. Em Cardoso Moreira também foram registrados 26.2 milímetros. Em Santo Antônio de Pádua, as estações registraram 21 milímetros no Centro e 15 milímetros no bairro Dezessete, e em São Fidélis, 22 milímetros nas últimas horas.

Sobre a incidência de raios, nossa redação já fez o pedido ao Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e aguarda o levantamento dos dados.

VEJA MAIS

VEJA MAIS