Campanha de vacinação contra gripe termina na próxima semana: 27 milhões de pessoas ainda não se vacinaram Até o dia 5 de maio, foram registrados 2.137 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave hospitalizados por influenza (gripe) em todo o país, com 180 mortes

Até o dia 5 de maio, foram registrados 2.137 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave hospitalizados por influenza (gripe) em todo o país, com 180 mortes

Fotos: Reprodução

A terceira e última fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe já termina no próximo dia 5, mas, segundo o Ministério da Saúde, Apenas 23,22% de 36,1 milhões de pessoas do público prioritário receberam a vacina. Com início no dia 11 de maio, até o momento, foram vacinadas 8,3 milhões de pessoas, que corresponde a 23,22% do total de 36,1 milhões de pessoas. Na 3ª fase, o público prioritário é formado por professores das escolas públicas e privadas e os adultos de 55 a 59 anos de idade. A meta do MS é vacinar 90% dos grupos prioritários, resultado alcançado apenas na primeira fase com a vacinação de idosos com 60 anos ou mais de idade e trabalhadores da saúde. Desde o início da ação, em 23 de março, 48,7 milhões de pessoas foram vacinadas, faltando ainda 29,6 milhões que ainda não receberam a vacina. A terceira e última fase foi dividida em duas etapas: a primeira ocorreu no período de 11 a 17 de maio, com foco nas pessoas com deficiência; crianças de seis meses a menores de seis anos; gestantes; e mães no pós-parto (até 45 dias). (continua após a publicidade)

Nesta segunda etapa, que segue até o dia 5 de junho, estão os professores das escolas públicas e privadas, que devem apresentar o crachá funcional para comprovar o vínculo com alguma instituição; e os adultos de 55 a 59 anos de idade. Até o momento, 74,9 milhões de doses da vacina já foram distribuídas pelo Ministério da Saúde aos estados para garantir a imunização do público-alvo. O MS ressalta que a vacina contra influenza não tem eficácia contra o coronavírus, porém, neste momento, irá auxiliar os profissionais de saúde na exclusão do diagnóstico para a COVID-19, já que os sintomas são parecidos. E, ainda, ajuda a reduzir a procura por serviços de saúde. Até o dia 5 de maio, foram registrados 2.137 casos de SRAG hospitalizados por influenza (gripe) em todo o país, com 180 mortes. Do total de casos que já tiveram a subtipagem identificada, 517 foram casos de influenza A (H1N1), com 75 óbitos; 53 casos e 10 óbitos por influenza A (H3N2), 326 de influenza A não subtipado, com 47 mortes; e 440 casos e 48 óbitos por influenza B.

Mais do SFn