Alerj aprova uso de capacete que reduz em 60% as internações em UTIs por Covid-19

Equipamento foi desenvolvido no Ceará. A proposta será levada ao governador Cláudio Castro, que terá até 15 dias úteis para sancioná-la ou vetá-la

Imagem: divulgação

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou em discussão única, nesta quinta-feira (11/03), o projeto de lei 3.666/21, de autoria do deputado Anderson Alexandre (Solidariedade), que autoriza o Poder Executivo a utilizar nos hospitais estaduais e nos hospitais de campanha o capacete elmo no combate à pandemia de Covid-19 no Estado do Rio.

O capacete elmo é um equipamento de respiração assistida capaz de evitar a intubação de pacientes com coronavírus. A norma deverá ser regulamentada pelo Executivo. “O capacete elmo, além de desafogar os leitos de UTI, evita efeitos decorrentes da intubação, como a sedação por tempo prolongado e o uso de medicamentos, conhecidos como bloqueadores neuromusculares, que prolongam o tempo de recuperação dos pacientes”, justificou o autor do projeto.

O equipamento, desenvolvido pelo médico Marcelo Alcantara, superintendente da Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP/CE), já está sendo usado em hospitais de referência no tratamento da Covid-19 no estado nordestino e, segundo a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), tem alcançado resultados positivos em pessoas com quadro leve ou moderado internadas. Em fevereiro, o equipamento de respiração artificial não invasivo havia sido utilizado em 14 pacientes, dos quais sete receberam alta hospitalar. A tecnologia foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Os testes clínicos realizados com o equipamento mostraram que o uso do capacete pode diminuir em 60% a necessidade de internações em leitos de UTI. Além de evitar a intubação, procedimento necessário para tentar reverter um quadro de insuficiência respiratória em pacientes que não conseguem respirar espontaneamente, o Elmo traz, mais segurança para os profissionais da linha de frente do enfrentamento à pandemia.

VEJA MAIS

VEJA MAIS