sexta-feira , 30 outubro 2020
Imagem ilustrativa

Adolescente morre por raiva humana após ser mordido por morcego no RJ; Secretaria emite alerta Último caso/óbito por raiva humana no estado havia ocorrido em São José do Vale do Rio Preto, em 2006, também transmitido por morcego

Último caso/óbito por raiva humana no estado havia ocorrido em São José do Vale do Rio Preto, em 2006, também transmitido por morcego

Foto: SF Notícias

A Secretária de Estado de Saúde do Rio de Janeiro emitiu um alerta para todos os municípios fluminenses após a morte de um adolescente, de 14 anos, por raiva humana, em Angra dos Reis. Segundo a SES, o menino foi mordido por um morcego no final de janeiro e não compareceu à unidade de saúde para administração das doses da antirrábica. A confirmação do diagnóstico ocorreu no dia 20 de março, por meio do exame, e o adolescente acabou morrendo no dia 30 daquele mês. “Em 2020, foi registrado um caso/óbito de raiva humana no Brasil, no município de Angra dos Reis/Rio de Janeiro, transmitido por morcego infectado. O último caso/óbito por raiva humana, no estado, havia ocorrido em São José do Vale do Rio Preto, no ano de 2006, também transmitido por morcego” – afirma a Secretaria no alerta. No documento, intitulado “Alerta Raiva 001/2020 – Medidas de Prevenção da Raiva Humana dirigidas à população do Estado do Rio de Janeiro”, a secretaria recomenda ampla divulgação do alerta para a população, polos de vacinação e soroterapia, unidades de saúde e clínicas veterinárias nos municípios e, principalmente, das MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A POPULAÇÃO em geral. Cada município deve atentar para a substituição ou inclusão, no documento, dos contatos (e-mail e telefone) de suas vigilâncias e referências municipais. (continua após a publicidade)

A pasta alerta ainda para que – com base em comunicados do Ministério da Saúde (MS) – a população redobre os cuidados preventivos principalmente no trato de cães e gatos domiciliados, semi-domiciliados e de rua, além de animais de importância econômica (boi, cavalo, porco, etc.). “Isso devido ao desabastecimento do estoque de vacina e soro antirrábicos para humanos no país. A orientação é de que se evitem ao máximo os acidentes com esses animais e os animais silvestres como mordedura, arranhadura ou lambedura” – ressalta a secretaria. Ainda segundo a SES, há indicativo no Ministério da Saúde que haverá envio de vacina antirrábica animal para realização da campanha até novembro. O alerta pode ser conferido AQUI.

Mais do SFn