A importância das categorias de base para o futebol

Anualmente milhares de jovens deixam o seio familiar para tentar a sorte, apostando no grande sonho de um dia se tornar jogador de futebol profissional. A seguir, tentaremos entender um pouco do quão importante é para o futebol o investimento nas categorias de base. Ao assistirmos uma partida de futebol profissional, nos chama atenção o talento técnico e físico dos atletas. Tudo o que vemos é o resultado final de um processo que começou desde muito cedo, com raríssimas exceções, na Categoria de Base. É nela que que acontecem as primeiras disputas da vida dos atletas, não por títulos, artilharia e glamour, mas em busca de oportunidades que proporcionem aos jovens uma formação esportiva digna. O objetivo principal das categorias de base está voltado para o aprimoramento técnico, já que ter apenas o talento não é suficiente. As comissões técnicas visam potencializar os conceitos técnicos do esporte para entregar os jogadores da forma mais primorosa possível para o futebol profissional. Assim, proporcionará ao atleta um desenvolvimento e amadurecimento precoce.

Podemos citar diversos jogadores famosos que hoje brilham não só em território nacional, como também fora do país. Um dos maiores exemplos é o craque Neymar Júnior que foi cria da categoria de base do Santos Futebol Clube e lá fez um brilhante início de carreira. Destaque no futebol brasileiro, o jogador logo caiu nas graças dos clubes estrangeiros. No Barcelona, ao lado de nomes como Messi, Daniel Alves e Suárez, formou uma equipe tecnicamente incrível, levando o clube ao topo das de sites como o da Betway, casa de apostas esportivas online, tida como lidar nesse seguimento. A base, dará as primeiras oportunidades para familiarizar os atletas num nível de competição e exigência dos quais eles não estão acostumados a enfrentar. Colocando-os de frente com outros jogadores com o mesmo nível de preparação. Isso é importante, pois desde cedo os jovens passam por experiências que irão prepará-los para tratar com adversários e campeonatos que lhes apresentam aos grandes clubes.

Junto ao processo de formação esportiva, vem a necessidade e a responsabilidade de formação do atleta como indivíduo, considerando que o futebol seja um esporte coletivo, valorizando assim a arte da convivência em grupo, companheirismo, o poder de liderança, a atitude colaborativa e principalmente compreender que nesse esporte não se vence sozinho. Trata-se de um processo de formação que trará orientação positiva, não somente para o campo, mas também para a vida. Por este motivo é tão importante a valorização de projetos que incentivam o esporte para crianças e jovens que possuem poucas oportunidades. Outro ponto importante no papel das categorias de base é fazer o atleta assimilar que a sua ferramenta de trabalho é o seu corpo. Logo, desde muito novo eles passam a entender o valor de se exercitar da forma correta, buscando sempre o melhor condicionamento físico para cada faixa etária. O intuito é trazer a eles a habitualidade de uma rotina que levarão para o resto da vida profissional. Contudo, nem tudo são flores quando se refere a categoria de base. Nos últimos anos a relação entre clubes e suas bases e a pressão depositada nos jovens atletas mudou bastante, ao ponto de fazer com que muitos deles, tidos como promessas ou “joias” do futebol, não conseguissem render o esperado e caíssem no esquecimento.

As categorias de base são também, para seus clubes, um excelente meio de encher os cofres. Grandes craques brasileiros têm sido vendidos antes mesmo de se tornarem ou se consolidarem profissionais. Suas transferências trazem retorno para o clube durante alguns anos após a venda inicial. A categoria de base acaba sendo a maior fonte de retorno para os clubes brasileiros. Por esse motivo, os clubes passaram a encurtar os trajetos dos jovens em suas preparações, muitas vezes mudando o foco de todo processo de formação. Onde antes era aprendizado e aperfeiçoamento, agora virou cifras. As tradicionais ‘peneiradas’ deram lugar as indicações. Não que isso seja incorreto por parte dos clubes, pois já falamos aqui que um dos intuitos da base é revelar futuros jogadores para o mercado desportivo. Inclusive existem inúmeras equipes do futebol mundial que são experts nesse tipo de negócio, entretanto, não desvalorizam em nenhum momento a formação dos seus atletas, ou pior, usufruindo dos talentos em benefício próprio antes de pensar em qualquer transação.

O flamengo, por exemplo, que sempre se destacou no cenário nacional por revelar diversos craques, até mesmo pelo lema: “Craque o flamengo faz em casa”, passou por momentos críticos em sua categoria de base, deixando de lado algo que lhe trouxe tantos frutos e contribuiu para sua história. Recentemente, o clube passou por momentos muito difíceis numa tragédia envolvendo condições físicas do CT. O incêndio no ‘Ninho do Urubu’ chocou o país e autoridades do mundo do futebol, pois resultou na morte de 10 pessoas, onde a maioria eram jovens atletas da categoria de base. A Salvação foi a implementação de uma política de austeridade ao clube, que teve início em 2013, da qual gerou uma reestruturação onde ficou estabelecido como um dos pilares básicos, para um futuro próspero, a categoria de base.

Decorrente disso, o clube conseguiu alavancar todo o trabalho realizado na base, resgatando os tempos áureos de antigamente. Essa constatação já pode ser vista nas últimas temporadas do Flamengo, onde conseguiu 4 das suas maiores vendas de atletas da história, sendo que o jogador mais velho vendido tinha 23 anos a época. Portanto, sob qualquer ótica, podemos perceber a importância das categorias de base, já que possuem uma participação fundamental no futuro do futebol profissional. Para os atletas trazem todo o processo de formação esportiva e educacional e para os clubes é uma forma de manter uma equipe de qualidade e trazer retornos altíssimos.

VEJA MAIS

VEJA MAIS