Motorista que provocou a morte de pastor estava alcoolizado

pastor-2
Foto: Reprodução do Facebook

O acidente ocorreu no último domingo (01/12) na Av Emídio Maia Santos, onde Clenilton Ferreira Vieira de 56 anos, atingiu por trás a scooter  que o Pastor José Carlos Coutinho de 65 anos pilotava. O pastor não resistiu aos ferimentos e morreu a caminho do hospital.

Nossa reportagem fez contato com a  134º DP onde foi registrada a ocorrência, que informou que o teste de bafômetro realizado por policias federais, constatou que Clenilton havia ingerido álcool.

Segundo a lei 11705  conhecida como lei seca, quem for flagrado sob efeito de álcool (de 0,1mg a 0,29 mg de álcool por litro de ar expelido) é enquadrado no artigo 165 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB): comete infração gravíssima (7 pontos na CNH), com penalidade de multa (R$ 957,70) e suspensão do direito de dirigir por 12 (doze) meses. O veículo ainda fica retido até que apresente outro condutor habilitado e em condições de dirigir.

Porém, aquele condutor que atingir o limite de 0,30 mg comete também crime de trânsito, pelo artigo 306 do CTB, que prevê penas de detenção, de seis meses a três anos, multa e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor.

pastor-
Foto: Reproduçaõ do Facebook

No sangue de Clenilton havia 0,93 mg  de álcool por litro de ar expelido e foi autuado em flagrante por embriagues ao volante e homicídio culposo (quando não há intenção de matar)

Porem após pagamento de fiança no valor de R$ 50.000,00, foi liberado para responder o processo em liberdade.

Pastor Coutinho como era conhecido, era pastor da Igreja Pentecostal Casa de Deus, na Nova Divinéia, era muito querido e conhecido na cidade.

Os veículos continuam apreendidos no pátio da 141ª Delegacia Legal de São Fidélis.

moto envolvido no acidente do pastor foto Vinnicius Cremonez

VEJA MAIS

Anvisa determina recolhimento de lotes interditados da vacina CoronaVac

Mais de 12 milhões de doses foram envasados em fábrica não autorizada pela Agência e tinham sido interditadas no início do mês. É importante ressaltar que a CoronaVac permanece autorizada no país e possui relação benefício-risco favorável ao seu uso no Brasil

VEJA MAIS