segunda-feira , 26 outubro 2020

Hospital público de Cambuci poderá fechar a qualquer momento

Fotos: Manuela Escalla
Fotos: Manuela Escalla

O único hospital do município de Cambuci, Hospital Moacyr Gomes de Azevedo, localizado na Rua Sete de Setembro, Centro, poderá ser fechado a qualquer momento. O estabelecimento está no final do seu estoque de medicamentos, materiais alimentícios e outros recursos, deixando médicos e funcionários muito preocupados, além da população que está restrita apenas aos atendimentos de pronto-socorro. Relatos contados pela gerente operacional do hospital.

Segundo Rozimere Souza Ladeira, a causa dessa realidade vem do fato de que agora as verbas destinadas ao hospital são depositadas na conta da prefeitura, para que a mesma repasse para o hospital, mas esse procedimento não está acontecendo. O Hospital é  uma entidade filantrópica onde 85% do atendimento prestado é para o SUS e agora não possui condições.

“Estamos com esse problema já há 2 meses, com médicos e muitos funcionários sem receber. Não estamos conseguindo manter uma equipe, porque  muitos profissionais estão pedindo demissão e a nossa preocupação é por lidarmos com vidas e por isso queremos entrar em um acordo com a prefeitura, para que os problemas apontados por eles possam ser resolvidos.”Afirmou Rozimere.

Gerente Operacional - Rozimere Souza
Gerente Operacional – Rozimere Souza

A gerente enfatiza dizendo que não sabe quais as razões para esse repasse não estar ocorrendo e que todos do hospital estão desesperados. No momento atual não tem nenhum paciente internado, e que antes era uma média de 150 pacientes por mês, mas fecharam o mês de abril com 60 internações, devido à preocupação dos pacientes  de receberem um atendimento ruim.

“A qualquer momento o hospital poderá ser fechado, só estamos esperando a reunião dos vereadores para termos uma posição final deles, pois não se consegue prosseguir com a saúde sem dinheiro. Já perdemos convênios por falta de credibilidade, devido também ao tempo que a prefeitura esteve a frente do hospital.” Concluiu Rozimere.

Em entrevista à nossa equipe, o secretário de saúde de Cambuci, Agnaldo Peres, contou a causa da crise atual do hospital afirmando que as verbas destinadas ao estabelecimento, foram  depositadas em juízo pela prefeitura.

 

Secretário de Saúde - Agnaldo Peres
Secretário de Saúde – Agnaldo Peres

“Na véspera do Carnaval desse ano, no dia 27 de fevereiro, funcionários e médicos do hospital entraram em greve por falta de pagamento. O juiz da cidade convocou a prefeitura e os responsáveis do hospital para dizer que não poderia passar o carnaval sem o devido funcionamento e em comum acordo foi decidido que a prefeitura teria que assumir o hospital naquele período de crise e assim fizemos. Ficamos até 10 de abril, quando a  Associação Hospitalar entrou com uma ação na justiça querendo retomar o hospital, onde foi concedida uma liminar para eles assumirem, só que eles não têm condições financeiras para assumir.” Explicou o secretário.

Agnaldo disse ainda que no dia 19 de maio a prefeitura recebeu o relatório com parte da produção da associação hospitalar para encaminharem à Brasília, mas que ainda falta o relatório de internação e que só podem repassar a verba de acordo com a produção e assim que ela tiver sido aprovada eles repassarão .

O presidente da câmara de vereadores do município, Tadeu Lima, conversou com a nossa equipe e disse que após a reunião na câmara entre os vereadores e o prefeito juntamente com um médico do Hospital Moacyr Gomes, eles teriam informações completas para passar a todos os médicos e funcionários do hospital.

Presidente da câmara - Tadeu Lima
Presidente da câmara – Tadeu Lima

“Os vereadores estão à disposição da Associação Hospitalar para ajudar a resolver essa situação, pois um hospital de grande importância como esse, que é referência em toda região, não pode fechar. Nossa missão é auxiliar.” Terminou dizendo o presidente.

Mais do SFn