Filhote de baleia jubarte encontrado morto em Atafona Segundo a Prefeitura de São João da Barra, foi constatado que a morte do filhote já havia ocorrido entre cinco e seis dias, provavelmente em alto-mar

Segundo a Prefeitura de São João da Barra, foi constatado que a morte do filhote já havia ocorrido entre cinco e seis dias, provavelmente em alto-mar

Fotos: divulgação

Um filhote fêmea de baleia da espécie Jubarte foi encontrado morto na manhã desta quarta-feira (15/06) em Atafona, no município de São João da Barra. Segundo a Prefeitura de São João da Barra, o animal tinha aproximadamente 4,5 metros e pesava entre 1,0 e 1.2 tonelada. Ao tomar conhecimento do aparecimento da carcaça, nas proximidades do Pontal, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Serviços Públicos (SEMASP) solicitou apoio da Guarda Ambiental Municipal para isolar a área e acionou o Programa de Monitoramento de Praias das Bacias de Campos e do Espírito Santo, responsável pelo monitoramento, resgate, reabilitação, soltura e necropsia de animais marinhos. O Programa é executado pela empresa CTA – Serviços em Meio Ambiente em contrato firmado com a Petrobras para atendimento à condicionante da licença ambiental emitida pelo Ibama,  abrangendo 750 km do litoral entre o Município de Conceição da Barra(ES) até Saquarema. (continua após a publicidade)

A veterinária da empresa, Lais Conti, e o auxiliar técnico, Eduardo Alves, fez a necropsia e foi constatado que a morte do filhote já havia ocorrido entre cinco e seis dias, provavelmente em alto-mar. Fragmentos foram recolhidos para análise com o objetivo de identificar a causa da morte. Após a necropsia foi orientado pelo programa que a carcaça fosse enterrada na areia da praia, acima a linha de maré com auxílio de uma máquina retroescavadeira. “A reprodução da espécie em águas brasileiras acontece em Abrolhos, na Bahia. Provavelmente o filhote estava junto com sua mãe se deslocando quando veio a óbito, vindo a encalhar na praia de Atafona”, destacou a secretária de Meio Ambiente e Serviços Públicos, Marcela Toledo, que acompanhou todo o trabalho da CTA.

Mais do SFn