Com 15 anos, morador de Santa Maria Madalena se destaca na fotografia de animais no Parque do Desengano

Mateus descobriu a vocação ao visitar o Horto Municipal, sede do Parque Estadual do Desengano. Algumas fotos dele são divulgadas nas redes sociais do Inea e são importantes e relevantes registros da biodiversidade fluminense

A fotografia muitas vezes é uma arte difícil, ainda mais quando os “modelos” são animais silvestres. Mas, um jovem morador de Santa Maria Madalena, vem se destacando com o talento para fotografar unido à paixão pela natureza. Mateus Guinâncio, de 15 anos, descobriu a nova vocação ao visitar o Parque Estadual do Desengano (PED) (Horto Municipal), unidade de conservação administrada pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea). Ao avistar um grupo de tucanos-de-bico-preto e araçaris-de-bico-branco, o estudante decidiu, com o próprio celular, registrar as aves, o que revelou o olhar aguçado e a nova paixão do jovem.

Tem Instagram ❓❓ Siga o SF Notícias no Insta > @sfnoticias

“A paixão pela fotografia surgiu em um dia que não tinha nada para fazer em casa e decidi dar uma volta no Horto. Na caminhada avistei um grupo de tucanos e de araçaris. Fotografei com o celular mesmo. Fiquei ouvindo eles vocalizando, fique vendo, uma coisa linda. Eu já era apaixonado pela natureza e quando cheguei em casa, perguntei pra minha mãe quanto custava uma câmera, fiquei doido nisso. Como minha mãe não tinha condições para comprar, ela achou uma câmera pequena em casa, do meu padrasto, aí fui fotografando com ela” – relatou o jovem ao SF Notícias.

O jovem madalenense disse que se apaixonou pela fotografia, principalmente de animais. “Fui tirando fotos, tirando fotos, aí teve um dia que um amigo que trabalha no Horto falou comigo sobre um cara vendendo uma câmera boa, ele falou com a minha mãe e ela decidiu me dar de presente de aniversário. Fiquei muito feliz, com ela faço os registros hoje” – conta. Com a nova posse, o estudante pôde evoluir no trabalho desenvolvido no parque do Inea por meio de registros de alta qualidade.

Entre as dezenas de aves flagradas diariamente pelos olhos atentos de Mateus, estão o beija-flor bico-reto-de-banda-branca, aparição rara na região (foto ao lado), o pica-pau-rei, o benedito-de-testa-amarela e a coruja caburé. “Além das aves, já fotografei esquilo, serpentes, anfíbios” – disse. As expedições, que são conciliadas com os estudos, têm início após o café da manhã. O jovem veste a roupa camuflada, confere os materiais na mochila e se encaminha para o parque, onde perde a noção do tempo em meio a biodiversidade. Ele afirma que passou a ser uma pessoa mais tranquila, menos tímada, que interaje mais e que colocou de lado a internet para conviver diariamente com a natureza. “A observação de aves ajuda a melhorar a audição, a visão, a saúde, a depressão, a ansiedade e outras coisas”, destaca o jovem.

Gestor do Parque Estadual do Desengano, Carlos Dário logo notou o entusiasmo e talento do jovem fotógrafo e ofereceu todo o apoio necessário. “Sempre que podemos, inserimos o Mateus em alguma atividade pertinente de observação de aves. Como ele está sempre por aqui, demos as instruções necessárias a ele, doamos livros e equipamentos e já o consideramos um membro do parque. Costumamos dizer que ele foi adotado por nós, é o nosso jovem prodígio”, conta Dário. O secretário de Estado do Ambiente e Sustentabilidade, Thiago Pampolha, também falou sobre o talento do jovem. “É uma alegria encontrar casos como o de Mateus. Por meio das nossas unidades de conservação do Inea, buscamos integração e desenvolver o senso ambiental dos moradores de todo o estado. A história especial deste jovem mostra que estamos no caminho certo”, afirmou.

Algumas fotos de Mateus são divulgadas nas redes sociais do Inea (@rj_inea). “São importantes e relevantes registros da biodiversidade fluminense que o órgão incentiva que colaboradores produzam e compartilhem. Todo o trabalho de Mateus é divulgado em seu perfil no Instagram, @guinancio_birdwatcher, que reúne dezenas de registros de alta qualidade e beleza da rica fauna do estado do Rio de Janeiro” – frisou o Inea.

VEJA MAIS

VEJA MAIS