quinta-feira , 29 outubro 2020

Com 13º em atraso, funcionários do HAV fazem protesto em São Fidélis Queda de braço entre prefeitura e hospital continua, e futuro da saúde na cidade é incerto

Queda de braço entre prefeitura e hospital continua, e futuro da saúde na cidade é incerto

Fotos: SF Notícias

A falta de um acordo entre a Prefeitura de São Fidélis e a Associação Hospitalar Armando Vidal pode afetar mais uma vez a população fidelense. A unidade que quase fechou as portas em 2015, ainda passa por problemas financeiros, já que segundo a direção, o valor passado pela prefeitura não é suficiente para arcar com os custos dos serviços prestados ao SUS, como emergência, urgência e maternidade.

Funcionários do hospital conversam com o prefeito

Sem receber o 13º salário de 2015 e parte do 13º do ano passado, funcionários do hospital planejam uma paralisação do atendimento nos próximos dias. Vestidos de preto, eles fizeram uma pequena manifestação na porta da unidade na manhã desta terça-feira (21/02). Segundo os funcionários, a direção do hospital diz que só irar quitar os atrasados após firmar um acordo com a prefeitura. Três funcionários do hospital foram até a prefeitura para conversar com o prefeito.

“Quem está saindo prejudicado nisso são os funcionários. Queremos uma solução o mais rápido possível. Tem gente passando fome, pois só depende do dinheiro que recebe do hospital”, disse uma funcionária.

Falta de acordo

Nos últimos 28 meses o hospital recebeu da prefeitura R$ 175 mil/mês. Em entrevista ao SF Notícias, o diretor da unidade, o médico Dr. Inavaldo Berriel, disse que é preciso no mínimo R$ 350 mil para manter o hospital funcionando no básico. O prefeito da cidade, Amarildo Alcantara, disse que nesse momento, a prefeitura não pode pagar esse valor.

Na semana passada, o diretor do hospital, o prefeito e representantes dos setores jurídicos dos dois órgãos estiveram reunidos junto ao Ministério Público para que fosse feito um acordo. A prefeitura ofereceu um valor R$ 250 por dois meses chegando a R$ 300 mil no terceiro mês de um contrato temporário para que nesse tempo, um novo acordo seja firmado entre as partes.

Porém, o diretor do hospital disse que além do valor passado pela prefeitura, a unidade possui direito a receber cerca de R$51 mil por mês, valor referente aos R$ 615.068,80 do repasse feito pelo Ministério da Saúde, que foi dividido em 12 parcelas. A verba extra foi obtida em medidas de gestão como revisão de contratos e economia com aluguéis e outros serviços. Dr. Inavaldo disse que no ano passado a prefeitura recebeu três parcelas desse montante, mas o hospital não recebeu nenhum repasse até o momento.

Veja a proposta feita na reunião entre prefeitura, hospital e Ministério Público AQUI.

Outras verbas

A associação Hospitalar também recebeu um repasse de R$ 500 mil decorrente de uma emenda parlamentar. A verba, segundo Dr. Inavaldo, estava retida na prefeitura desde o ano passado, e só foi repassada a unidade, neste mês. O hospital ainda não recebeu a verba referente à Média e Alta Complexidade (MAC), que passa dos R$ 400 mil. Segundo o prefeito, esse valor está depositado, aguardando apenas que o acordo entre as partes seja acertado.

Atualmente, a prefeitura e o hospital não possuem um contrato assinado, sendo assim, não foi feito nenhum repasse por parte da prefeitura a unidade. Baixe agora o aplicativo do SF Notícias no seu celular! https://goo.gl/w4WvaY.

Mais do SFn