Auxílio Emergencial: Governo libera parcelas para mais de 22 mil pessoas nesta quarta

Segundo o Ministério da Cidadania, os recursos estarão disponíveis para saques e transferências; o benefício é concedido após reavaliações e contestações

Como resultado dos processos contínuos de reavaliações e contestações referentes ao Auxílio Emergencial do Governo Federal, 22.233 pessoas recebem nesta quarta-feira (10) um total de R$ 20,95 milhões referentes a parcelas do benefício. A divulgação do calendário de pagamento dessas análises está na Portaria nº 606, publicada nesta quarta no Diário Oficial da União. Assim que forem depositados, os recursos estarão disponíveis tanto para transferências e pagamentos, quanto para saques. Segundo o Ministério da Cidadania, o grupo de beneficiados se divide em quatro categorias. A primeira envolve quase 12 mil pessoas que se tornaram elegíveis após reavaliações de cadastros e cruzamentos de informações de bancos de dados governamentais. Esse público vai receber de uma só vez as parcelas de 1 a 5 do Auxílio Emergencial (cada uma de no mínimo R$ 600), num total acumulado de R$ 7,89 milhões em repasses federais.

Já os outros três grupos são compostos por pessoas que vão receber parcelas da Extensão do Auxílio Emergencial (cada uma de, no mínimo, R$ 300). Numa faixa estão cidadãos que vão receber as etapas de 7 a 9 da extensão. São 371 pessoas que já haviam recebido uma parcela e que, após reavaliações, voltam a ser incluídas na lista de contempladas. O valor de pagamentos para esse público totaliza R$ 346,5 mil. Outro grupo, com 9,4 mil integrantes, receberá as parcelas de 6 a 9 da extensão do Auxílio Emergencial, num total de R$ 12,5 milhões em recursos. São pessoas que ainda não haviam recebido a extensão e passaram por reavaliação. O último grupo, com 561 cidadãos, reúne pessoas que não tinham sido consideradas elegíveis e fizeram a contestação via Dataprev entre 17 e 26 de dezembro de 2020. Ainda segundo o Ministério da Cidadania, o valor total em repasses para esta faixa é de R$ 185,7 mil.

VEJA MAIS

VEJA MAIS