Asteroide? Estrondo e sensação de tremor de terra intrigam moradores de cidades da região

Para o professor e físico, Dr. Marcelo Oliveira, o estrondo pode ter sido causado pela entrada de um asteroide na atmosfera terrestre. E aí, você ouviu o estrondo?

Moradores de alguns municípios da região como Itaocara, Aperibé, Cambuci, Santo Antônio de Pádua, São Sebastião do Alto e zona rural de São Fidélis relataram nas redes sociais na tarde desta terça (11) terem ouvido um estrondo, similiar com um trovão, e alguns relataram ainda um tremor de terra. Alguns moradores disseram que pensaram se tratar de trovoadas e olharam para o céu para conferir se havia um temporal se formando. “Achei que era trovoada, até sai pra ver o tempo se estava vindo temporal” – comentou uma moradora de Pirapetinga, cidade mineira vizinha a Pádua, onde o barulho também foi ouvido.

Tem Instagram ❓❓ Siga o SF Notícias no Insta > @sfnoticias

Alguns moradores relataram ter sentido um tremor. “Eu escutei e senti um tremor também, sou moradora da Cidade Nova em Pádua”; “Ouvi achei que era um trovão, chegou estremecer e vibrar o box do banheiro, onde estava meu filho. Achamos até que fosse alguma batida de carro” – comentou uma moradora de Jaguarembé. “Eu ouvi pensei que tivesse sido um pneu de caminhão. Estremeceu a porta da cozinha” – relatou uma moradora de São Sebastião do Alto.

Alguns moradores também se questionaram se o estrondo poderia se tratar de um meteoro, algo que teria atravessado a atmosfera terrestre. Ao SF Notícias o professor e físico, Dr. Marcelo Oliveira, coordenador do Clube de Astronomia Louis Cruls, informou que não houve registro de abalo sísmico nas regiões Norte e Noroeste Fluminense nesta terça. “Pode ter sido causado pela entrada de um asteroide (na atmosfera terrestre). O céu poderia estar um pouco nublado o que já dificultaria a observação. Se foi uma explosão de um asteroide deve ter ocorrido quedas de meteoritos. Tudo indica que se houve uma explosão foi acima da superfície. O mais importante neste momento é a divulgação do que ocorreu para recebermos mais relatos” – disse o professor.

VEJA MAIS

VEJA MAIS