Após passagem decepcionante pelo Milan, Lucas Paquetá busca se firmar na França

Lucas Paquetá surgiu de forma meteórica no Flamengo, firmando-se no time titular pouco tempo depois de ter liderado a equipe na conquista da Copa São Paulo de 2016

Foto: Divulgação/ Milan

Lucas Paquetá surgiu de forma meteórica no Flamengo, firmando-se no time titular pouco tempo depois de ter liderado a equipe na conquista da Copa São Paulo de 2016. Já jogando pela seleção brasileira, foi vendido para o Milan, onde decepcionou.

Marcou apenas um gol na Itália e rumou para o Lyon. Na França, Paquetá reencontrou o bom futebol, e entra agora em sua segunda temporada buscando se estabilizar como um dos principais jogadores do time e da liga, deixando para trás as oscilações do começo da carreira.

Pode saber mais sobre o mundo do futebol e das apostas baixando apps especializados.

Antes franzino, brilha na Copinha
Lucas Tolentino Coelho de Lima nasceu em 27 de agosto de 1997 e fez toda sua trajetória nas categorias de base pelo Flamengo, clube onde chegou aos oito anos. Quando tinha 15 anos, ainda media apenas 1,53m, o que dificultava muito que sua técnica, já evidente, se sobressaísse entre os adversários. Caso não crescesse e ganhasse massa muscular, seu futuro no futebol profissional era muito improvável.

No entanto, após um programa de treinamentos físicos feitos em separado do resto do elenco das categorias de base, Lucas cresceu 27 centímetros em três anos, e começou a mostrar um futebol mais consistente. Ganhou projeção nacional em janeiro de 2016, quando o Flamengo ganhou seu terceiro título da Copa São Paulo de Futebol Júnior, a famosa Copinha. Após empate de 2 a 2 contra o Corinthians, o time foi campeão nos pênaltis, e o atacante foi o principal destaque da competição.

Enquanto o destaque do Corinthians nesse campeonato foi o volante Maycon, pelo Flamengo, além de Paquetá, o centroavante Felipe Vizeu também fez uma boa competição, tendo marcado 7 gols em 8 partidas. Na disputa de pênaltis o goleiro Thiago foi o destaque de um time que tinha ainda Léo Duarte, Ronaldo e Matheus Sávio. O treinador era Zé Ricardo, que depois dirigiria a equipe profissional sem muito sucesso – além dos rivais Vasco e Botafogo.

Nesse mesmo ano disputou suas primeiras partidas como profissional pelo Flamengo, em jogos de menor importância durante o Campeonato Carioca. No ano seguinte, em fevereiro de 2017, Paquetá tinha 19 anos quando marcou seu primeiro gol com a camisa do Flamengo, na vitória de 4 a 0 contra o Madureira. E foi um golaço de cobertura a 34 metros de distância do gol.

No segundo semestre, ganhou mais oportunidades e começou a ser titular do time. Marcou na final da Copa do Brasil, contra o Cruzeiro, e na final da Copa Sul-Americana, contra o Independiente. Em ambas competições, o Flamengo foi vice-campeão.

No início da temporada 2018, Paquetá assumiu a camisa 11 que já foi de Romário e iniciou o ano como um dos principais jogadores do time. Após ótimas atuações no Campeonato Brasileiro, foi convocado para a seleção brasileira pela primeira vez.

Terminou o ano de 2018 como artilheiro do Flamengo no Brasileirão e eleito melhor meia do campeonato pelo Troféu Bola de Prata. No total, foram 96 jogos e 18 gols com a camisa rubro-negra.

Transferência para Europa
As boas atuações pelo Flamengo despertaram o interesse de diversos gigantes europeus pelo futebol de Lucas Paquetá, incluindo Juventus e Paris Saint-Germain. Mas quem venceu a disputa foi o Milan, que acertou a contratação do jogador por 35 milhões de euros – sendo 70% correspondentes ao clube carioca.

No Milan ele voltou a vestir a camisa 39 com a qual subiu para os profissionais do Flamengo, mas, apesar de seguir envergando vermelho e preto, não conseguiu repetir o mesmo bom desempenho de quando jogava no Brasil.

Em 37 jogos pelo Milan, Lucas Paquetá marcou apenas um gol, e deu duas assistências. Recebeu 12 cartões amarelos e um vermelho, o que demonstra sua dificuldade com as funções defensivas.

Volta por cima
Em setembro de 2020, foi vendido por 20 milhões de euros para o Lyon, com quem assinou contrato até 2025. Jogando com a camisa 12, teve uma excelente primeira temporada, tendo sido eleito para a seleção da Ligue 1.

O Lyon perdeu força na reta final e terminou a temporada em quarto lugar, com o Lille tendo sido o responsável por quebrar a longa sequência de títulos do PSG. No entanto, a boa temporada credenciou Paquetá a assumir a camisa 10 da equipe, número que ele também chegou a usar na Seleção brasileira.

Pela seleção brasileira principal, Paquetá já tem 23 aparições e marcou 5 gols. No selecionado sub20, foram 8 jogos e 1 gol. Foi com a camisa canarinho que Lucas conquistou o único título de sua carreira, a Copa América de 2019, disputada no Brasil.

Já no Lyon, os números até setembro de 2021 eram muito superiores aos da sua passagem pela Itália: em 35 partidas, marcou 11 gols e deu 5 passes para gol.

Irmão mais velho de Lucas, Matheus Paquetá, de 26 anos, também é jogador profissional e meio-campista, tendo contrato atualmente com o Tombense, que o emprestou ao Uberlândia.

VEJA MAIS

VEJA MAIS