Segundo a Agência, uso do dióxido de cloro - produto químico corrosivo - vem sendo divulgado como cura “milagrosa” para diversas doenças

Anvisa retira falso medicamento para autismo do mercado

Fotos: Divulgação

A Anvisa fiscalizou e retirou nesta sexta-feira (26/04), anúncios da internet do produto dióxido de cloro, também comercializado com a sigla MMS. O motivo é a alegação de propriedades terapêuticas para uma substância química que não tem qualquer comprovação de segurança para uso em humanos.

A Agência informou que desde junho de 2018 proíbe a fabricação, distribuição, comercialização e uso desses produtos. “O uso do dióxido de cloro vem sendo divulgado como uma cura “milagrosa” para diversas doenças, entre elas o autismo. O produto, na verdade, é uma substância utilizada na formulação de produtos de limpeza, como alvejantes e tratamento de água” – explicou.

Ainda de acordo com a Anvisa, o dióxido de cloro não tem aprovação como medicamento em nenhum lugar do mundo. A sua ingestão traz riscos imediatos e a longo prazo para os pacientes, principalmente às crianças. Na quinta-feira (25), a Agência já havia solicitado ao site Mercado Livre a retirada de dois anúncios do ar. Os anúncios traziam indicações de uso para tratamento para autismo e ofereciam protocolos de uso do produto para seus compradores.

A Anvisa também informou que está alertando as Vigilâncias Sanitárias dos estados e municípios para que fiscalizem o comércio irregular dessa substância com indicações terapêuticas. Essa prática é uma infração sanitária, sujeita a multa. Além disso, é um crime contra a saúde pública, de acordo com o Código Penal.

O dióxido de cloro é classificado como um produto corrosivo e sua manipulação exige o uso de equipamento de proteção individual. É um produto que também traz riscos pela inalação.

Mais do SFn